Este Blogue transmite notícias/informações sobre as escolas do Agrupamento Pedro Jacques de Magalhães de Alverca, a toda a Comunidade Educativa.

10
Mai 11

 

 

 

 

 

             As professoras de Língua Portuguesa do 3.º ciclo dão a conhecer os poemas vencedores da 1.ª  eliminatória do concurso Poesiapontocom:

 

O pesadelo

 

É de noite.

Vou dormir.

Pequenas picadas

comecei a sentir.

 

Acordei num corredor sem fim.

Estavam lá mortos

que vinham atrás de mim.

 

Corri! Gritei!

Estava cansado.

E todos eles

estavam ao meu lado.

 

Eles tinham correntes

e a um poste me ataram.

De repente o diabo chegou

e as almas gritaram.

 

Uma espada

trespassou o meu coração

e larvas comeram

os meus pés

que tocavam no chão.

 

Acordei.

Tudo estava bem,

mas quando fecho os olhos

o pesadelo vem.

 

 

                                       Manuel Monteiro, 7.º C

 

 

UM SENTIMENTO

 

Era uma vez um sentimento

Muito difícil de explicar

Tinha como nome Amor

E como verbo Amar.

 

Muitas pessoas o sentem

Até mais do que uma vez

Talvez por ser bom

Pela primeira vez.

 

Quem o sente

Descobre a perfeição…

A emoção…

De ter alguém no coração.

 

Este sentimento

Existe em tudo à nossa volta…

Num braço de um amigo

Ou de um beijo de alguém que importa.

 

Era uma vez um sentimento…

Tão perigoso como o mar.

Se algum dia o encontrares

Saberás o que é amar.

 

 

                                    Margarida Anacleto, 8.º E

 

 

Ser Luz, ser Sal

 

Fico feliz porque te tenho comigo.

Bem-aventurado fui

No dia em que me tornei teu amigo.

A nossa amizade é assim;

Como uma corrente sem fim.

Corrente de Luz.

E agradeço a Jesus

Por ter-te como meu amor.

Aos meus olhos és mais bonita

Que qualquer flor.

Brilhas mais que o martelo de Thor.

Mais que uma estrela.

Quero passar o resto da vida

Aprisionado, em ti… cela.

És uma obra de arte,

Nem precisas de tela.

Quero perder-me em ti

Viajar para um céu distante.

Perder-me em todo esse céu

Talvez em Marte...

Esquecer que sou pecador

Voar em teu esplendor e

Esquecer que sou errante.

Deixar para trás magoa, rancor.

Aprender a perdoar

Porque o perdão é mais importante.

Ser humilde, poder amar,

Cair contigo, mas poder levantar.

Apesar de tanta falsidade por aí,

Manténs-te original.

Se um dia eu falhar,

Não será por mal

Interessa é continuar a amar

Ser a Luz, ser o Sal,

Desta Terra ferida de ódio e guerra.

 

  

                                    Onésimo Pedro, n.º 22, 9.º  D

 

 

publicado por jornalpjm às 20:55

Maio 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
11
12
13
14

15
16
17
21

22
23
24
25
27
28

29
30
31


Visitantes
Contador de visitas
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO